Overblog Seguir este blog
Edit post Administration Create my blog

Portal da Damba e da História do Kongo

Portal da Damba e da História do Kongo

Página de informação geral do Município da Damba e da história do Kongo


Os Kongo de Angola: OS BANSONSO

Publicado por Muana Damba activado 21 Julio 2016, 06:54am

Etiquetas: #Fragmentos históricos do Uíge.



Esi Tsôso, Basi Ntsôso ou simplesmente Bansoso é um importante sub-grupo Kongo, que habita no centro da província do Uíge.

O que hoje se chama aldeia ou regedoria Nsoso, situada há alguns Kms, a leste da vila antiga do 31 de Janeiro, actualmente, sede da comuna do Nsoso, foi na realidade uma importante localidade no tempo do Reino do Kongo que alguns historiadores atribuem a categoria de uma província ao mesmo título que o Zombo, Soyo, Nkusu, Lwangu, Wandu, Pumbu, etc. Durante séculos da existência do reino dos Homens-Leopardos (Kongo), sobas do Nsoso foram potentes conselheiros do Rei do Kongo e forneciam o essencial dos militares que defendiam o reino em caso de uma invasão.

A ORIGEM DOS BANSOSO.

Tal como os seus primos Yaka, os Nsoso vieram da Lunda. Na sua migração, atravessaram o Kasayi e Kwilu para se instalar à margem esquerda do rio Kwango, onde fundaram os mazumbu num vasto território que vai de Makokola até ao centro da Damba. Do Songo até Kimbele, cujo o centro se situava no Mbanza Nsoso.

Os BANSOSO HOJE.

Mesmo se o nome do Nsoso é reduzido a uma comuna do município da Damba, os Bansoso habitam a maioria parte do território da actual província com o cheiro de café. Ao contrário que se pensa, apesar do seu prestígio, os Bazombo não constituem a maioria, como subgrupo Kongo na província do Uíge, mas sim os Bansoso. No Uige existem muitos subgrupos Kongo, como Bayaka, Basuku, Besikongo, Basolongo, Bazombo, Bawungu e Bandembu (Kimbundu). Dos 16 municípios que compõem o Uíge, sómente 6 que não são habitados pelos Bansoso, citamos Negage, Kitexe, alto Kawale, Bembe, Ambwila e Zombo. Os municípios dos Bwengas, Makokola e Sanza Pombo (os Pombo, são bansoso), são habitados inteiramente pelos bansoso. Os municípios do Bungu, Púri, Songo e Mukaba, os bansoso ocupam 2/3 dos seus respectivos territórios. Os municípios de Kimbele e da Damba, os Nsoso representam 1/3 da sua população. Enquanto no município-capital da província, mas de metade dos habitantes são originários do Nsoso antigo.

NSOSO NA HISTÓRIA DO REINO DO KONGO.

Na famosa Batalha de Mbwila, foi o Nsoso que forneceu o essencial dos makesa (militares) que combateram ao lado do Rei Vita a Kanga "António 1°". Depois da derrota, o Nsoso desconectou-se do poder central de Mbanza Kongo, que pràticamente cessou de existir. Nsoso constitui-se um reino a parte, segundo o historiador Dr. João Disila.

Antes da ocupação da Damba em 1911, pelos portugueses, o Soba principal do Nsoso, Mbianda Ngunga, sob a instigaçâo do Soba Namputu na Damba, formou uma coligaçâo com o soba Nkama Ntambu para cobrar o imposto aos comerciantes em passagem na região, inclusíve aos europeus, que na realidade era um "blocus", contra os estrangeiros. Este embargo continuou com o soba Nzawu a Mbakala. Os portugueses que utilizavam uma peça de morteiro "Nordenfeldt" como arma de disssuação, neutralizam com facilidade a resistencia na Damba e penetraram no nsoso. Mas o Soba Mbyanda Ngunga, vai se bater contra a tropa portuguesa no Pombo, onde vingou-se, derrotando-os numa batalha que durou 3 meses, matando oficiais do exercito português, em 1913 (ver: http://www.muanadamba.net/2016/06/o-heroismo-do-soba-mbyanda-ngunga.html). Sem esquecer outro soba do Nsoso, Makabongo, que assediou a forteleza do Kimvuenga no Songo durante 6 meses.

OS BANSOSO famosos.

Na luta da libertação nacional, muitos Nsoso combateram em varios movimentos de libertaçâo, sobretudo na FNLA. Muitos escreveram os seus nomes com o seu sangue no livro da historia da libertaçâo nacional, alguns fundaram partidos politicos, como Angelino Alberto, do Ntobako; Dr. José Miguel Manuel e do Nzuzi Nsumbu do PSD, Lucas Ngonda e Lais Eduardo da FNLA.etc. Outros foram ministros como Delfim de Castro, Venâncio de Moura. E activistas como Alberto Tunga e o editor Arlindo Isabel.

Na Imagem danças dos mascarados dos Bansoso, em Makokola. Imagem do Dr Morais Martins

Na Imagem danças dos mascarados dos Bansoso, em Makokola. Imagem do Dr Morais Martins

Archivos

Ultimos Posts